Futsal

Um apuramento histórico, e uma mala “pequena com uma máquina de café”

Futsal

Treinador mostrou-se orgulhoso pelo histórico apuramento do Eléctrico para a Taça da Liga. Emigrante no último ano e meio, Kitó Ferreira diz ter uma “mala pequena com uma máquina de café”.

Certamente Kitó Ferreira revelou que há um leque de cinco jogadores residentes em Lisboa que. Por mês, fazem “seis mil quilómetros. “Estes jogadores são muito ambiciosos. Temos quatro jogadores do Brasil e cinco atletas que viajam todos os dias de Lisboa para Ponte de Sor, e vice-versa, fazendo seis mil quilómetros por mês”, explicou.

No entanto, Kitó Ferreira quer o grupo não se deslumbre pois, lembra, o objetivo é a permanência. “Logo depois de termos ganho ao Modicus dei os parabéns aos jogadores mas disse que ainda não conquistámos nada. O nosso objetivo principal é a permanência. Depois disso, logo veremos…”.

Aliás o técnico, 49 anos, deu nas vistas na Burinhosa ao levar a formação. Da aldeia de Pataias (Leiria) desde a III Divisão até à Liga de Futsal. O último ano e meio foi passado entre Itália, com experiências no Gymnastic Fondi e no Latina, e na Roménia, ao serviço do Imperial Wet. Kitó Ferreira guardou histórias para contar destas aventuras. “Em Itália, o Gymnastic fechou portas ao fim de cinco jogos e eu e quatro jogadores portugueses ficámos na rua sem comida e sem nada. Que vale é que a cidade de Fondi ajudou-nos”, atira. “Depois, fui para o Latina.

Pediram-me a permanência e nós chegámos ao play-off. Em Itália, experimentei o inferno e o paraíso. Na Roménia, ao fim de 15 dias perdemos um jogo num torneio internacional e na segunda-feira o presidente disse que ia cortar o salário aos jogadores. Nesse mesmo dia eu e os jogadores portugueses que lá estavam (éramos um grupo de nove pessoas), viemos emobra e atravessámos a Roménia com uma viagem de carro de cinco horas para chegar a Bucareste, apanhar o avião e voltar para casa”, finalmente lembrou. Contudo a experiência romena foi tão marcante que o grupo até se vai reunir à mesma nas próximas semanas. “Aquele episódio ligou-nos para a vida. Contudo no Natal vamo-nos juntar na Mealhada”.

Natural de Leiria, Kitó Ferreira já residiu em Lisboa. Quando orientou os Leões de Porto Salvo, foi emigrante e agora mora em Ponte de Sor. “Acostumei-me a ter uma mala pequena com uma máquina de café lá dentro que me acompanha para todo o lado”, concluiu.

Fonte: A Bola.

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close